Universidade Federal do Paraná oferece a primeira disciplina de zootecnia celular da América do Sul.

A construção de uma indústria global de carnes cultivadas requer profissionais qualificados. Pensando nisso, o Programa de Pós-graduação em Ciências Veterinárias da UFPR, em parceria com a The Good Food Institute (GFI) Brasil, elaborou a disciplina “Introdução à zootecnia celular”. O plano de aulas foi desenvolvido para estudantes de pós-graduação e profissionais experientes que desejam desenvolver suas habilidades nesta nova forma de produzir alimentos.

A tecnologia celular pode transformar fundamentalmente a forma como a carne é produzida e consumida, ajudando a construir um sistema alimentar mais saudável e sustentável. Isso demanda capacitações específicas e o objetivo da disciplina é fornecer aos alunos o conhecimento necessário para começar. 

A consultora científica da GFI Brasil e cocriadora da disciplina, Katherine de Matos, aponta: “Precisamos alimentar uma população de quase 10 bilhões de pessoas até 2050 e aprender como reduzir os impactos negativos da produção de alimentos no meio ambiente, na saúde humana e no bem-estar dos animais. Considerando isso, forneceremos aos alunos uma ampla gama de tópicos relacionados à inovação na produção de alimentos, com um foco especial na carne cultivada “.

As aulas oferecerão uma introdução abrangente ao cultivo de carne, começando com fundamentos teóricos, como a necessidade de novos sistemas de produção e o conceito de inovação disruptiva. Também serão abordados tópicos que vão desde fundamentos biotecnológicos, benefícios ambientais e de bem-estar animal da carne cultivada, até a reorganização da cadeia global de carnes.

De acordo com A.T. Kearney, a carne cultivada representará 35% do mercado global de carne até 2040. Essa nova maneira de produzir carne está se expandindo rapidamente e, à medida que o setor cresce, precisará de profissionais mais qualificados. “Estamos dando aos profissionais envolvidos na produção tradicional de carne a possibilidade de ingressar no novo sistema alimentar. O que antes era percebido como uma ameaça ao trabalho deles agora é visto como uma vantagem”, segundo a Professora Carla Molento, responsável pela criação da disciplina na UFPR.

Para o Professor Germano Glufke Reis, que também ministrará a disciplina, “O futuro da comida já está aqui e traz muitas oportunidades para transformar o sistema de produção para melhor. O Brasil está prestes a assistir ao lançamento de um grupo organizado de profissionais interessado em ser pioneiro nesse processo e revolucionar a maneira como a carne é produzida no país”, afirma o docente.

Esta iniciativa é um marco e constitui um dos muitos passos necessários para viabilizar uma atuação profissional qualificada no setor de proteínas alternativas no Brasil e no exterior.

É com muito orgulho que o Programa de Pós-graduação em Ciências Veterinárias da UFPR apoia esse esforço para transformar o sistema alimentar brasileiro e global.